Manifestações Populares

Escrito por Assessoria Parlamentar

MANIFESTAÇÕES POPULARES

Tema: Inconformismo da população manifestado nas passeatas de 15 de março contra os casos de corrupção no Poder Público. Matéria veiculada na TV Record sobre práticas corruptas observadas entre os cidadãos brasileiros. Necessidade de estímulo ao exercício da cidadania.

2015-04-07manifestacoespopulares

Data: 07/04/2015
Sessão: 061.1.55.O
Hora: 17:24

O SR. ANTONIO BULHÕES / PRB-SP, pronuncia o seguinte discurso:

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, os protestos de 15 de março levaram mais de 2 milhões de pessoas às ruas e foram a maior manifestação popular de nossa história. Somente no meu Estado de São Paulo, 1 milhão de pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar, foram até a Avenida Paulista, descontentes com a situação que atravessa nosso País.

A despeito da variedade de demandas apresentadas, podemos perceber que a principal bandeira das manifestações foi o combate à corrupção, sobretudo nos casos descobertos na PETROBRAS no curso da Operação Lava-Jato da Polícia Federal, e a punição exemplar dos responsáveis.

Como republicano, recebo de uma forma muito positiva esses movimentos. São um sinal da evolução da nossa sociedade, um sinal de que a cidadania no Brasil já não se limita a votar a cada 2 anos. A cidadania encerra também participar da vida pública, fiscalizar os atos dos governantes, acompanhar a elaboração e execução dos orçamentos, cobrar dos detentores de cargo público que o exerçam com probidade, efetividade, transparência e visando ao interesse público.

A despeito do caráter muito benéfico dos protestos de rua, a cidadania precisa ir além. Devemos todos entender que ser cidadão é ser detentor não só de direitos, mas também de deveres. Nessa perspectiva, o povo deve trazer esse sentimento que incendeia as passeatas para dentro da vida cotidiana. Não é coerente quem não paga seus impostos e se indigna com a desonestidade do prefeito de sua cidade. Do mesmo modo, seria inusitado que o mentiroso contumaz pregasse moralidade aos vizinhos.

Nesse sentido, o programa Repórter em Ação, da Rede Record, que foi ao ar em 22 de março, exibiu eventos que servem de ilustração para o que estamos a tratar. A equipe passou duas semanas identificando situações rotineiras em que algumas pessoas fazem o que é certo e outras procuram tirar proveito para si. Por exemplo, ao receber, no mercado, troco superior ao devido, alguns clientes devolviam o valor maior e outros não; pessoas estacionando em vagas privativas de idosos e de pessoas com deficiência; donos de cães que não recolhem os dejetos de seus animais; profissionais que cobram por serviços desnecessários em consertos de veículos ou eletrodomésticos; descarte de lixo em local não destinado para esse fim; tráfego em via exclusiva para ônibus.

Em um dos casos da reportagem, a produtora se fez passar por uma turista que não falava português e pediu a um motorista de taxi que a transportasse, do bondinho que leva ao Cristo Redentor, até a Floresta da Tijuca, dois locais conhecidos da cidade do Rio de Janeiro. O trajeto tem 19 quilômetros e o preço médio da corrida é R$40,00. Contudo, o taxista percorreu 40 quilômetros – o dobro, portanto, do percurso ideal – com o custo de R$75,00.

Evidentemente, o programa não tem caráter estatístico e nem era esse o seu objetivo. Eu o trouxe a esta tribuna para corroborar a necessidade de aprimorarmos a cidadania em nosso Brasil. Com efeito, são muitos os que prezam por uma convivência harmônica com os demais membros da sociedade, exercendo seus direitos e cumprindo seus deveres. Por outro lado, há tantos outros que somente enxergam direitos, enquanto esquivam-se de todos os deveres que tem com o Estado e com seus concidadãos.

Cabe novamente enaltecer as manifestações e os manifestantes do dia 15 de março. Cabe igualmente estimular que façamos uma meditação, uma análise de nossas condutas para que todos possamos trazer esse bonito sentimento de cidadania para nossos lares, nossos bairros, nossos locais de trabalho, nossas igrejas e pô-lo em prática ao respeitar as leis de trânsito, ao quitar nossos tributos, ao trabalhar com diligência, ao realizar as atividades de nosso cotidiano, enfim.

Muito obrigado.

Sala das Sessões,

ANTONIO BULHÕES
Deputado Federal / PRB-SP