Legalização da prostituição

Escrito por Assessoria Parlamentar

LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO

Bulhões repudia propostas que legalizam a prostituição no Brasil

“Legalizar a prostituição é abrir caminho para que vários jovens, inclusive menores de 18 anos, pensem nessa atividade como uma carreira profissional, o que certamente não será bom para o futuro do país”. A afirmação é do Deputado Antonio Bulhões (PRB/SP), em repúdio as propostas que tramitam na Câmara dos Deputados para legalizar a prostituição.

Na avaliação do parlamentar, a profissão não produz um serviço que enriqueça a sociedade, do ponto de vista moral ou material. “Pela proposta as ‘profissionais do sexo’ passam a ter carteira assinada; Previdência Social; aposentadoria especial, com apenas 25 anos de trabalho, além de seguro-desemprego; Fundo de Garantia; 13º e férias. Os bordéis seriam transformados em empresas formais, aptas a serem financiadas com dinheiro público pelo BNDES e pela Caixa, de modo a ampliarem os seus mercados”, criticou.

033legalizacao

Para Bulhões, legalizar a prostituição não significa apenas aceitar a prática, mas também estimulá-la. “As novelas poderão fazer marketing dessa profissão, as revistas terão propagandas de bordéis. Crianças, que hoje desejam ser médicos ou advogados, poderão no futuro se imaginar como profissionais do sexo. Em nome dos que pagam impostos, e em nome dos nossos filhos e netos, defendo trabalharmos em propostas destinadas a tirar as pessoas da prostituição, e não a tratar essa atividade como normal, estimulando, assim, a degradação dos costumes”, criticou o Deputado.

Mônica Donato

Versão em PDF