Ideologia de Gênero, ciência ou filosofia

Escrito por Assessoria Parlamentar

IDEOLOGIA DE GÊNERO, CIÊNCIA OU FILOSOFIA

2017-09-27 Ideologia de Genero Ciencia ou Filosofia

Tema: Carência de argumentação científica e filosófica em discursos sobre gênero na sociedade brasileira.

Data: 27/09/2017
Sessão: 279.3.55.O
Hora: 16:34

O SR. ANTONIO BULHÕES / PRB-SP, pronuncia o seguinte discurso:

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, vivemos uma época bastante conflitiva. O conflito não surge apenas quando facções de traficantes resolvem tomar o ponto umas das outras.

Um tipo de conflito cresce na nossa época: é um conflito de visões de mundo, ampliado pela velocidade das informações. Com tanta intensidade de discursos, pessoas não fazem a devida ponderação sobre a amplitude da verdade que o discurso diz trazer.

Quando se divulga que alguém foi acusado, logo o povo, ocupado com tantos afazeres, toma o discurso como verdade. Se depois a pessoa se livra da culpa, poucos serão os que acreditarão na inocência. É preciso procurar as nuances, porque quem domina o discurso domina o pensamento da sociedade.

Na profusão de mensagens rápidas, outro discurso vai vencendo, porque é a vanguarda das grades de televisão. É o discurso sobre gênero.

Curiosamente, os discursos culturais sobre gênero não fazem um contraponto com a Ciência e a Filosofia. Para a Biologia, gênero é uma classificação que pode conter mais de uma espécie. Trazer a Ciência para a discussão é importante, porque as características biológicas não podem ser alteradas por força de uma ideia nova. Ideias, quando não se fundamentam na Ciência e na Filosofia, são apenas ideologia.

O que vemos agora é um discurso que pretende fazer as pessoas acreditarem que gênero é uma “construção” sociológica, porque a sociedade se fundou pelo patriarcado. Por esses neologismos já se vê a tentativa de dar ares científicos à ideologia. É um discurso que pretende formar a convicção de que a pessoa não precisa ser o que é biologicamente.

O discurso se propaga porque diz que cada um pode escolher o gênero que quiser para si. Com a capa ideológica de que propõe mais liberdade, vai dizer que não há problema se a pessoa não concordar com o que os olhos veem no espelho. Seria então normal, porque é livre, a pessoa se identificar como mulher, ainda que fisicamente a descrição seja de homem.

Interessante. Isso me faz lembrar de Kant. Ele fundou um imperativo, o de que uma coisa pode ser certa, quando essa mesma coisa servir para todos. Ora, se é normal enxergar-se como mulher quando o espelho diz que é homem, por que se chama de doença quando uma pessoa se enxerga mais gorda do que realmente está, a anorexia?

Para escapar dessa contradição lógica, os bem-pensantes dizem que se ver diferente do que o corpo mostra é normal por causa da repressão da sociedade “heteronormativa”. Continuando com essa lógica, a pessoa pode então se ver como uma samambaia. Afinal, o certo não é a evidência física, mas a maneira como se vê.

Isso não é um argumento ad absurdum: os ideólogos já sistematizaram mais de 80 tipos de gênero. Com tanta variedade, é possível existir um próximo da samambaia.
Esse é o absurdo de quando a ideologia se pretende equivaler à Ciência. A Ciência diz que o aspecto físico visto no espelho é uma parte do que forma o sexo de alguém. Entre mulher e homem, existem genes diferentes que determinam quais hormônios são produzidos. O homem produz a testosterona em quantidade muito maior que a mulher; por outro lado, o homem não produz o estrogênio, apenas a mulher.

Dizer que apenas a aparência define o que é ser homem ou mulher é perigoso, porque acaba também justificando indiretamente a ideologia do racismo.

É preciso ficar atento com essa crescente difusão de sobrepor a identificação sexual pelo gênero. O conceito de raça humana já foi descartado pela Ciência, porque não basta a estética do corpo para provar a teoria. Por que se insiste em dizer que gênero é uma verdade apenas porque a pessoa não quer ser o que vê no espelho?

Como a teoria de gênero não apresenta respostas razoáveis para perguntas lógicas, o conceito de gênero não Ciência, é apenas uma ideologia em que tentam nos fazer acreditar.

Muito obrigado.

ANTONIO BULHÕES
Deputado Federal / PRB-SP