Crianças, Adolescentes e Conteúdos Digitais

Escrito por Assessoria Parlamentar

EXPOSIÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES A CONTEÚDOS DIGITAIS

2017-08-22 Conteudo digital e Crianças

Tema: Importância do manual elaborado pela Sociedade Brasileira de Pediatria a respeito da exposição de crianças e adolescentes a conteúdos digitais.

Data: 15/08/2017
Sessão: 224.3.55.O
Hora: 17:00

O SR. ANTONIO BULHÕES / PRB-SP, pronuncia o seguinte discurso:

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, nos últimos anos nós temos vivido a era digital, com o aparecimento de novas tecnologias a todo momento, o que tem mudado consideravelmente nosso estilo de vida e as relações sociais.

Com a popularização dos smartphones, tablets e outros dispositivos, a maior parte da população brasileira passou a ter acesso a essas inovações, e as tem utilizado durante todo o dia.

Em consequência disso, meus pares, as crianças têm sido expostas a estas tecnologias desde o nascimento, e não temos ainda noção do que isso pode significar para a saúde física e mental delas.

Diante de tal cenário, a Sociedade Brasileira de Pediatria, órgão máximo de referência em termos de saúde infantil, publicou recentemente recomendações sobre a exposição de crianças e adolescentes aos conteúdos digitais.

Segundo esse documento, o uso precoce e de longa duração de jogos online, redes sociais ou aplicativos pode causar dificuldades na interação social e afetiva com outras pessoas, além de prejudicar o desempenho escolar.

Pode ainda, nobres Parlamentares, levar a distúrbios do sono, sedentarismo, problemas auditivos e visuais, entre outros.

Recentemente tivemos conhecimento do desafio chamado Baleia Azul, que se aproveita da fragilidade emocional de adolescentes, criando uma série de desafios que podem levar à morte.

Para crianças com menos de 2 anos, o manual da Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda desencorajar, evitar e até mesmo proibir a exposição às telas digitais.

Com o cérebro ainda em formação, e na fase de desenvolvimento da fala, a exposição a estes conteúdos nesta faixa etária pode ter efeitos prejudiciais de longa duração.

O documento recomenda, para crianças de 2 a 5 anos de idade, que se limite a exposição ao máximo de 1 hora por dia, e que isso não ocorra no próprio quarto. Deve-se estimular, ainda, atividade física diária por 1 hora.

Essas sugestões são importantes, uma vez que as crianças desta idade são muito ativas, e precisam utilizar esta energia movimentando-se, brincando e praticando esportes.

Meninas e meninos maiores de 6 anos também precisam de orientação, e não devem ficar isolados em seus quartos utilizando estes equipamentos, para que não comprometam seu sono e as atividades escolares.

Acima de tudo, é importante que os pais criem momentos desconectados em família, convivendo sem o uso da tecnologia, para que possam conversar e interagir no mundo real.

Temos que nos preocupar com o uso exagerado de produtos digitais pelas nossas crianças, Sras. e Srs. Deputados, para que elas possam crescer saudáveis,atingindo todo seu potencial.

O manual da Sociedade Brasileira de Pediatria reconhece que as mídias digitais podem ser utilizadas para o aprendizado e a interação social saudável, mas é importante que os pais, familiares e toda a sociedade participem, orientando as crianças para que façam uso adequado dessas tecnologias.

Muito obrigado.

ANTONIO BULHÕES
Deputado Federal / PRB-SP