Conservadorismo.

Escrito por Assessoria Parlamentar

Conservadorismo.

Por que o conservadorismo vem chamando tanto a atenção? Jornais relatam, criticam e até filosofam sobre o conservadorismo e os seus representantes. Alguns até com ironia. Porque conservadores se guiam por valores cristãos.

020-conservadorismo

“Permanecer cidadão ou transformar-se em súdito para aceitar a imposição do Estado em relação à moral familiar?”

Conservadores e os cristãos, ao orientarem-se por esses valores, buscam a garantia necessária para a estabilidade, os quais podem ser simbolizados como um passo por vez. Por isso, eles aprenderam a dar valor às coisas e têm a disposição consciente de que tem algo a perder se trocar o costume pelo desconhecido.

O Conservador prefere o familiar ao desconhecido, o real ao possível, o conveniente ao perfeito. Prefere as relações e as lealdades familiares, porque tem medo que a dor da perda será maior que a excitação da novidade ou da promessa. Em síntese, conservadores são prudentes.

Conservadores não gostam de sentirem-se cobaias. Isso não significa que são estritamente contra as mudanças, apenas esperam a comprovação que o tempo pode fornecer.

Por serem céticos, desconfiam das ideologias que não foram maturadas pelo tempo, como a pedagogia progressista que acha, como diz minha mãe, prafrentex, distribuir camisinhas nas escolas de ensino fundamental e médio em nome da prevenção de doenças nos jovens.

O conservador é cético às revoluções desse tipo, por isso, acredita que educação se aprende em casa com a família, e que na escola o que se tem é instrução.

O conservador quer permanecer cidadão e não transformar-se em súdito para aceitar toda a imposição do Estado, principalmente em relação à moral familiar.

Portanto, é importante destacar que no nosso cenário político existem Políticos Conservadores, que, por aplicarem corretamente a ética, não são Moralistas Políticos, mas são Políticos Morais, que usam a moral como balizadora do poder político em respeito à liberdade individual de cada cidadão.

Antonio Bulhões
Deputado Federal / PRB-SP

Versão em PDF