Ataques extremistas a cristãos no Níger

Escrito por Assessoria Parlamentar

Bulhões repudia ataques extremistas a cristãos no Níger

Igrejas brasileiras estão entre as 45 instituições religiosas que foram incendiadas, depredadas e saqueadas, em Niamey, capital do Níger, um dos países mais pobres da África.

Ao menos cinco pessoas morreram, na última sexta-feira (16), durante as manifestações que começaram com a publicação da primeira edição do ‘Charlie Hebdo’ após o ataque à sua sede.

001-nigerextremistas

O deputado republicano Antonio Bulhões (PRB/SP) considerou os atentados um terrível e covarde golpe aos direitos humanos.

“Tomamos conhecimento de que os templos da Universal e seus membros não foram atingidos por esta onda de violência motivada por pura intolerância religiosa. Os trabalhos seguem normalmente na igreja local e os fiéis estão em constante oração pelo povo das aldeias atingidas. Creio que todo cristão, não importa onde esteja, deve também dobrar seus joelhos e orar para que cesse esta situação na África”, conclamou o deputado.

Bulhões considera preocupante os dados de um levantamento feito pelo Centro de Estudos do Cristianismo Global nos Estados Unidos. Segundo o estudo, cerca de 100 mil cristãos são assassinados anualmente por causa de suas crenças religiosas, ou seja, um a cada cinco minutos. “Independente de crença religiosa, ninguém tem o direito de tirar a vida do outro. Não podemos aceitar que uma minoria extremista continue matando inocentes e pessoas de bem em nome da fé”, afirmou o parlamentar.

De acordo com o Itamaraty, não existem brasileiros feridos, e todos os que residem no Níger foram orientados a permanecer dentro de suas casas. Caso a situação se agrave, o Governo brasileiro ajudará na retirada deles do país. Além dos cinco mortos, 128 pessoas ficaram feridas e 189 foram detidos.

Por Monica Donato.

 Versão em PDF