A Independência e o Término do Governo PT

Escrito por Assessoria Parlamentar

A INDEPENDÊNCIA E O TÉRMINO DO GOVERNO PT 

Tema: Transcurso do Dia da Independência do Brasil de Portugal. Associação da efeméride ao término do Governo Federal do PT.

2016-08-31-dia-da-independencia

Data: 31/08/2016
Sessão: 214.2.55.O
Hora: 12:08

O SR. ANTONIO BULHÕES / PRB-SP, pronuncia o seguinte discurso:

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, estamos nos aproximando da comemoração de mais um aniversário da declaração de independência brasileira. No próximo dia 7 de setembro, o Brasil estará a 6 anos de completar 2 séculos como nação politicamente autônoma perante seus cidadãos e os demais países. A comemoração ganha ares de notória relevância neste momento em que o Brasil está, de certo modo, novamente envolto na conquista da independência política.

Por mais de uma década, o Partido dos Trabalhadores alçou-se ao posto de maior prestígio do poder político do País. A partir da conquista da Presidência da República, deu início a projeto de poder que restringiu sobejamente a representatividade e a capacidade de ação dos demais agentes políticos desta grande Nação.

Já no século XX, era claro que o governo que efetivamente seria executado por esse partido seria catastrófico. Não obstante, as estratégias que utilizaram para a doutrinação ideológica do eleitorado brasileiro mostraram-se muito eficazes em esconder os claros defeitos daquela plataforma política. Iludido, o povo brasileiro foi levado a crer que poderia construir um Brasil a partir dos princípios defendidos pelo PT.

O que se viu, no entanto, foi o que se esperava desde o início. Apesar do discurso de compromisso com as inúmeras minorias tão presentes no Brasil, a cúpula do partido estava apenas deslumbrada com o poder. O que se verificou – e as apurações nas diversas instâncias investigativas não cessam de gerar provas disso – é que se formou uma máquina política voltada para a perpetuação de um projeto de poder vazio e espúrio.

O País, obviamente, não poderia suportar essa situação. O ano passado mostrou-se como o limite do suportável para esse problema. Com o PIB decrescendo quase 4%, a inflação acima de 10% no agregado do ano e a taxa de desocupação tendo saído de pouco mais de 6% para próximo de 10% apenas em 2015, ficou muito claro que o Brasil precisava se ver novamente independente politicamente. Desde vez, porém, independente de uma força interna, de um projeto político de poder enganador e descomprometido com o bem-estar econômico dos próprios compatriotas.

Quando esta Casa votou pela abertura do processo de impeachment, meu voto foi a favor. Deixei expresso na ocasião que jamais me admitiria participando de um golpe contra a democracia, o que volto a repetir. Se há que se falar em golpe, como reiteradamente dito pela defesa da ex-Presidente, o golpe deve ser entendido como tendo por alvo o nefasto projeto de poder do Partido dos Trabalhadores. Contra esse, orgulho-me profundamente de ter atuado.

É assim que vejo o 7 de Setembro de 2016, um símbolo da independência brasileira em relação à ideologia que derrubava o País. É preciso ter em mente, porém, que a emancipação política é apenas o começo. Agora é o momento de os políticos realmente comprometidos com os interesses públicos edificarem uma Nação mais robusta, do porte de que o Brasil é realmente merecedor. Enfim, o 7 de Setembro de 2016 é data que celebro com o orgulho de participar da construção da boa história deste País.

Muito obrigado.

ANTONIO BULHÕES
Deputado Federal / PRB-SP