• Aperfeiçoamento do Processo Judicial

    Não se pode decretar na decisão o trânsito em julgado do processo apenas pela natureza protelatória do recurso. É preciso aperfeiçoar o sistema ou reduzir os inúmeros recursos previstos.

    Leia Mais
  • Mortes no Trânsito

    É preciso combater a cultura da irresponsabilidade no trânsito no Brasil, que constitui o pano de fundo do comportamento imprudente dos nossos motoristas.

    Leia Mais
  • Segurança e Eleições

    Candidatos a prefeito e a vereador que propõem convênios de segurança com o Estado e o Poder Judiciário estão buscando o progresso de suas cidades e do País.

    Leia Mais
Ver todas

Agradecemos a todos os que possibilitaram nossa reeleição para este terceiro mandato na Câmara dos Deputados. Esta confiança em nós depositada nos motiva a continuar nesta luta com mais garra e determinação, dedicando mais ainda do nosso tempo e recursos na defesa dos interesses da população do Estado de São Paulo.

Reafirmamos nosso pacto de compromisso com cada eleitor, no sentido de sermos a sua voz e atender suas expectativas na esfera legislativa, primando pela preservação dos princípios morais e éticos que sustentam a família e a sociedade brasileira

Corrente Do Bem!

  • Semanas de 01 à 15 de agosto/2016

    Ações da "Corrente do Bem" de 01 à 15 de agosto de 2016

    Leia Mais
  • Semanas de 16 à 31 de julho/2016

    Ações da "Corrente do Bem" de 16 a 31 de julho de 2016

    Leia Mais
  • Semanas de 01 à 15 de julho/2016

    Ações da "Corrente do Bem" de 01 a 15 de julho de 2016

    Leia Mais
Ver todas
Antonio Bulhões

Antonio bulhões


Timeline
  • Pão Nosso de Cada Dia... 273º Dia (quinta-feira, 29 de setembro)

  • Olha quem está indo hoje comigo pra Câmara dos Deputados.

  • Pão Nosso de Cada Dia... 272º Dia (quarta-feira, 28 de setembro)

  • SEM MÁSCARAS Viver a vida cotidiana dissociada da vida espiritual, onde a pessoa é uma no ambiente da igreja e outra no ambiente secular, tem gerado muitos problemas na convivência familiar. Principalmente os filhos, que veem os seus pais ensinando algo que eles mesmos não vivem, pois não são coerentes entre o que discursam aos outros e o que praticam dentro de quatro paredes. Desgraçadamente, me perdoem o termo, os filhos logo encontram uma forma de “denunciar” essa dissociação hipócrita, por meio de sintomas como alta agressividade, baixo desempenho escolar e envolvimento em condutas marginais. Quando isso acontece, todos são corresponsáveis e devemos buscar ajuda para promover mudanças.

  • Pão Nosso de Cada Dia... 271º Dia (terça-feira, 27 de setembro)

  • SEGURANÇA E ELEIÇÕES Eu quero hoje falar sobre a importância das eleições municipais. Como diz um ditado político, as pessoas não vivem na União, elas vivem nos Municípios. Em cada um deles, os problemas cotidianos permanecem atrapalhando a vida e demandam vontade política, projetos e recursos para serem resolvidos. Alguns problemas, ainda que de responsabilidade do Estado ou da União, afetam as pessoas que moram nas cidades como a segurança pública. Entretanto, as pessoas comuns das cidades somente têm o prefeito e os vereadores para levar as suas demandas. Por isso, eles não podem ficar indiferentes à segurança pública. A questão da segurança é um problema de todos. É também um imperativo moral a pessoa prestar auxílio a quem precisa como defender alguém de uma violência iminente. Por isso, é importante discutir esse tema porque ele poderá surgir durante a campanha eleitoral. Ao reprimir a desordem, a administração pública não deve considerar o cálculo econômico da ação, como no caso de que o custo da repressão seja maior do que o prejuízo causado pela conduta inadequada da pessoa. A ação de repressão tem o objetivo de educar moralmente a população de que o crime não compensa. O homem entende mais rapidamente o dever moral se ele souber que sobre si existe a perspectiva da punição pelo ato falho. No momento de campanha eleitoral para Prefeitos e Vereadores, não podemos fazer acreditar aos munícipes que a prefeitura tem competência plena para reprimir todo comportamento social inadequado. Isso porque a polícia é Estadual e a Justiça é um outro Poder. Entretanto, o candidato a esses cargos pode celebrar convênios com o Estado e com o Poder Judiciário. Os candidatos que assim proporem não estarão extrapolando as suas obrigações. Estarão buscando, por meio da ação moral, o progresso de suas cidades e do País.

  • Por Eduardo Lopes Presidente Nacional do PRB (Interino) A QUEM INTERESSA O VOTO EM BRANCO OU NULO? O voto em branco ou nulo favorece a quem? Quando você vota desta forma está ajudando a que tipo de político se eleger? Quando você deixa de votar está colaborando para a diminuição do quociente eleitoral, o que permitirá que pessoas com menos votos se elejam. Os votos em branco ou nulos impactam na diminuição da quantidade de votos válidos. A conta não é complicada de se fazer: quanto mais votos nulos ou em branco, menos votos válidos um candidato precisará receber para ser eleito. O voto em branco ou nulo ajuda quem não tem voto. Beneficia os que têm medo da disputa, os donos de “currais eleitorais”. Os eleitores que votam em branco diminuem o quociente eleitoral e ajudam as pessoas que não lhe representam. É fundamental que o eleitor escolha um candidato e vote consciente de que o político o representará, que adiante, inclusive, poderá fazer elogios, críticas e até reivindicar promessas não cumpridas. Sempre costumo falar sobre a política e a politicagem. Política é o que fazer e como fazer para melhorar a mobilidade urbana, a saúde, a segurança, a educação, o saneamento básico, o trabalho e renda, e é o que o PRB tem propagado em todo o país. Já a politicagem é quando um grupo de pessoas se reúne em benefício próprio. Quando o eleitor não se coloca na posição de decisão, não vota de forma consciente e correta, dando oportunidade de alguém fazer isso por ele. Dá a chance de maus políticos permanecerem ou dá espaço para outros tão maus quanto seus antecessores. Estas pessoas vão representar quem? O Sistema Eleitoral Brasileiro é representativo, o eleitor vota uma vez, mas o seu representante, o político, que foi eleito democraticamente, votará quatro anos por você para o que é bom e para o que é ruim. Neste momento, o eleitor não terá voz nem acesso. A quem irão reclamar? Poder só é poder quando exercido em sua plenitude. Voto é o seu poder, cidadão! Vamos às urnas com certeza e poder de decisão. Avante!